Seis Verdades Eternas Para Recordar a Cada Dia (Six Eternal Truths to Remember Each Day)

Uma coisa surpreendente aconteceu entre cristãos modernos no mundo ocidental. Muitos de nós habitualmente, pensamos e agimos como se não houvesse eternidade, ou, como se o que fazemos na vida presente nāo tem qualquer relaçāo com a eternidade.

A tendência, hoje, é de nos concentrarmos não em nosso futuro eterno (quem se preocupa com o "porvir"?), mas em nossas circunstâncias atuais, como se este mundo fosse nosso lar. No entanto, as Escrituras afirmam que a realidade de nosso futuro eterno deve dominar e determinar o caráter de nossa vida presente, até mesmo as palavras que falamos e as atitudes que tomamos (Tiago 2:12; 2 Pedro 3:11,12).
Devemos nos assegurar de nos lembrarmos hoje, e a cada dia, daquilo que é "real." Aqui estão seis verdades eternas a serem lembradas:

I. Há apenas dois destinos eternos: o céu ou o inferno; e, eu e todas as pessoas que conheço, irão ou a um ou a outro.

Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram. (Mateus 7:13,14).

Tanto o céu quanto o inferno tem relaçāo com a terra, sendo esta um lugar entre os dois, que nos leva diretamente ou a um ou ao outro. O que há de melhor na vida terrena é um vislumbre do céu; e o que há de pior na vida, é um vislumbre do inferno. Para os cristãos, a vida presente é o mais próximo que estarāo do inferno. Para os incrédulos, ela é o mais próximo que chegarāo do céu.

A realidade da escolha que temos diante de nós nesta vida é, ao mesmo tempo, maravilhosa e terrível. Dada a certeza dos nossos dois destinos possíveis, não deveriam todos estar dispostos a pagar qualquer preço para evitar o inferno e ir para o céu? E, no entanto, o preço já foi pago. "Vocês foram comprados por alto preço." (1 Coríntios 6:20a). O preço pago foi exorbitante: O sangue derramado do Filho de Deus, Jesus Cristo.

Considere como isto é maravilhoso: Deus determinou que preferia ir ao inferno em nosso lugar, do que viver no céu sem nós. Ele quer tanto que nós nāo vamos ao inferno, que pagou um preço terrível na cruz, para que não tivéssemos que ir para lá.
Todas os caminhos não levam ao céu. Apenas um o faz: Jesus Cristo. Ele disse: "Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim." (João 14:6b). Todos os outros caminhos levam ao inferno. A realidade do inferno deve quebrantar nossos corações, nos colocar de joelhos, e nos levar às portas daqueles sem Cristo.

II. Este mundo (como o é agora) não é meu lar e tudo o que nele há, será queimado, deixando somente o que é eterno.

Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. (2 Pedro 3:10–12).

A Terra foi danificada pelo nosso pecado (Gênesis 3:17). Portanto, a Terra como agora está (sob maldição) não é o nosso lar. O mundo como o foi e como o será, é o nosso lar. Somos peregrinos nesta vida, não porque nosso lar nunca será na Terra, mas porque o nosso lar eterno não está, neste momento, na Terra. O foi e o será, mas não o é agora.

Deus diz que a Terra atual será consumida pelo fogo (2 Pedro 3:10). Paulo diz que o fogo da santidade de Deus consumirá tudo aquilo que tivermos feito, obras de madeira, feno e palha. Mas Ele nos diz que há algo que irá sobreviver ao fogo e ir direto para os novos céus e nova terra: Obras de ouro, prata e pedras preciosas (1 Coríntios 3:12).

O que durará para a eternidade? Não será seu carro, casa, diplomas, troféus ou negócios. O que durará para a eternidade é todo serviço aos necessitados, cada centavo doado para alimentar os famintos, cada copo de água fria dado a quem tem sede, todos os investimentos em missões, cada oração pelos necessitados, todo esforço gasto em evangelismo e cada momento cuidando de crianças que sāo preciosas, incluindo aí, niná-los para dormir e trocar suas fraldas. A Bíblia nos diz que ceifaremos na eternidade o que havemos semeado nesta vida (Gálatas 6:7,8).
III. Minhas escolhas e ações nesta vida tem uma influência direta sobre o mundo e a vida futura.

Eis que venho em breve! A minha recompensa está comigo, e eu retribuirei a cada um de acordo com o que fez. (Apocalipse 22:12).

O que fazemos nesta vida tem importância eterna. Nunca teremos outra oportunidade de mover a mão de Deus, através da oração, para curar uma alma sofrida, de compartilhar a Cristo com alguém que possa ser salvo do inferno, de cuidar dos doentes, de servir uma refeição aos famintos, de levar conforto aos moribundos, de resgatar os nascituros, de traduzir as Escrituras, de levar o evangelho a um povo não alcançado, de avançar o reino de Deus, de abrir nossas casas ou de compartilhar nossas roupas e alimentos com os pobres e necessitados.

Quando consideramos o presente sob a luz do amanhã eterno, pequenas escolhas tornam-se tremendamente importantes. Se faço ou nāo algo como ler a Bíblia, orar, ir à igreja, compartilhar a minha fé e dar ofertas (ações nāo motivadas por minha carne, mas graciosamente por Seu Espírito), isto tem conseqüências eternas, não só para outras almas, mas também para a minha.

IV. Minha vida está sendo examinada por Deus, a "Audiência de Um", e a única avaliação da minha vida que contará no final é a Sua.

Assim, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus. (Romanos 14:12).
Pense se você está vivendo para ter a aprovação de nossa cultura ou a de Jesus. Então, pergunte-se: "Ao final, diante de qual tribunal me apresentarei?" Devemos viver nossas vidas para a "Audiência de Um". Sua aprovação é a que importa. Se nosso objetivo for ouvir pessoas dizerem: "Muito bem", não vamos fazer o que precisamos fazer para que O ouçamos dizer isto.

Devemos nos recordar do que a Bíblia diz sobre sermos loucos por causa de Cristo (1 Coríntios 1:18–31; 4:8–13). A questão não é se seremos vistos como loucos, esta parte é certa, mas quando e por quem seremos vistos como loucos. É melhor sermos vistos como loucos agora aos olhos de outras pessoas (incluindo outros cristãos), do que sermos vistos como loucos para sempre aos olhos da "Audiência de Um".

V. Deus é soberano, e posso confiar que Ele fará com que todas as coisas em minha vida (incluindo as mais difíceis), concorram para o meu bem.

Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. (Romanos 8:28).

Em meio a um mundo que geme sob o sofrimento e o mal, a principal preocupação de Deus é conformar Seus filhos à imagem de Cristo. E Ele labora, através das circunstâncias difíceis de nossas vidas, para ajudar a desenvolver em nós esta semelhança com Cristo. Podemos ter a certeza que qualquer que seja a dificuldade que Ele tenha permitido em nossas vidas, elas foram filtradas através de Seus dedos paternos, de sabedoria e amor.

Talvez o maior teste para sabermos se nós, que somos seguidores de Cristo, cremos na veracidade de Romanos 8:28, é identificarmos as piores coisas que já nos aconteceram e, então, nos perguntar se cremos que Deus irá, ao final e de alguma forma, usar estas coisas para o nosso bem. A Bíblia é enfática ao afirmar que Ele o fará. Não temos nenhuma razão para pensar que Ele será menos confiável a respeito desta promessa do que com qualquer outra promessa que Ele fez. Pela fé, vamos confiar nEle hoje, que na eternidade olharemos para trás e veremos, em retrospecto, como Romanos 8:28 era absolutamente verdade!
6. Meu lar final será a Nova Terra, onde verei e apreciarei a Deus e O servirei, como um ser ressurreto numa sociedade humana ressurreta.

Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça. (2 Pedro 3:13).

Diariamente, é seu anseio e esperança a vida de ressurreiçāo, o viver num mundo ressurreto, com o Cristo ressurreto e com Seu povo ressurreto? Isto faz parte do evangelho que você compartilha com os outros? Paulo diz que a ressurreição dos mortos é a esperança na qual fomos salvos. Será o clímax glorioso da obra salvadora de Deus, que começou com nossa regeneração. Marcará o derradeiro fim de todo e qualquer pecado que nos separa de Deus. Ao nos liberar do pecado e de todas as suas consequências, a ressurreição nos liberará para viver com Deus, fixar nosso olhar sobre Ele e desfrutar de Sua comunhão ininterrupta para sempre, sem nenhuma ameaça de que qualquer coisa jamais voltará a se colocar entre nós e Ele.


Six Eternal Truths to Remember Each Day

A startling thing has happened among modern Christians in the western world. Many of us habitually think and act as if there is no eternity—or, as if what we do in this present life has no bearing on eternity. 

The trend today is to focus not on our eternal future (who cares about the “sweet bye and bye”?) but our present circumstances, as if this world were our home. Yet Scripture states the reality of our eternal future should dominate and determine the character of our present life, right down to the words we speak and the actions we take (James 2:12; 2 Peter 3:11–12).

Let’s be sure to remind ourselves today—and every day—of “the real thing.” Here are six eternal truths to remember:

1. There are only two eternal destinations—Heaven or Hell—and I and every person I know will go to one or the other.

Enter through the narrow gate. For wide is the gate and broad is the road that leads to destruction, and many enter through it.  But small is the gate and narrow the road that leads to life, and only a few find it (Matthew 7:1314).

Both Heaven and Hell touch Earth—an in-between world leading directly into one or the other. The best of life on Earth is a glimpse of Heaven; the worst of life is a glimpse of Hell. For Christians, this present life is the closest they will come to Hell. For unbelievers, it is the closest they will come to Heaven.

The reality of the choice that lies before us in this life is both wonderful and awful. Given the certainty of our two possible destinations, shouldn’t every person be willing to pay any price to avoid Hell and go to Heaven? And yet, the price has already been paid. “You were bought at a price” (1 Corinthians 6:20). The price paid was exorbitant—the shed blood of God’s Son, Jesus Christ.

Consider the wonder of it: God determined that He would rather go to Hell on our behalf than live in Heaven without us. He so much wants us not to go to Hell that He paid a horrible price on the cross so that we wouldn’t have to.

All roads do not lead to Heaven. Only one does: Jesus Christ. He said, “No one comes to the Father except through me” (John 14:6). All other roads lead to Hell. The reality of Hell should break our hearts and take us to our knees and to the doors of those without Christ. 

2. This world (as it is now) is not my home and everything in it will burn, leaving behind only what’s eternal.

The heavens will disappear with a roar; the elements will be destroyed by fire, and the earth and everything done in it will be laid bare. Since everything will be destroyed in this way, what kind of people ought you to be? You ought to live holy and godly lives as you look forward to the day of God and speed its coming (2 Peter 3:1012).

Earth has been damaged by our sin (Genesis 3:17). Therefore, the earth as it is now (under the Curse) is not our home. The world as it was, and as it will be, is our home. We are pilgrims in this life, not because our home will never be on Earth, but because our eternal home is not currently on Earth. It was and it will be, but it’s not now.

God says this present earth will be consumed by fire (2 Peter 3:10). Paul says the fire of God’s holiness will consume whatever we’ve done that amounts to wood, hay, and straw. But he tells us there’s something that will survive the fire and go right into the new heavens and new earth—works of gold, silver, and precious stones (1 Corinthians 3:12).

What will last for eternity? Not your car, house, degrees, trophies, or business. What will last for eternity is every service to the needy, every dollar donated to feed the hungry, every cup of cold water given to the thirsty, every investment in missions, every prayer for the needy, every effort spent in evangelism, and every moment caring for precious children—including rocking them to sleep and changing their diapers. The Bible says we’ll reap in eternity what we’ve planted in this life (Galatians 6:7–8).

3. My choices and actions in this life have a direct influence on the world and the life to come.

Behold, I am coming soon, bringing my recompense with me, to repay everyone for what he has done (Revelation 22:12).

Man reading the BibleWhat we do in this life is of eternal importance. You and I will never have another chance to move the hand of God through prayer to heal a hurting soul, share Christ with one who can be saved from hell, care for the sick, serve a meal to the starving, comfort the dying, rescue the unborn, translate the Scriptures, bring the gospel to an unreached people group, further God’s kingdom, open our homes, or share our clothes and food with the poor and needy.

When we view today in light of the long tomorrow, the little choices become tremendously important. Whether I read my Bible today, pray, go to church, share my faith, and give my money—actions graciously empowered not by my flesh but by His Spirit—is of eternal consequence, not only for other souls, but for mine.

4. My life is being examined by God, the Audience of One, and the only appraisal of my life that will ultimately matter is His.

So then each of us will give an account of himself to God (Romans 14:12).

Ask yourself whether you are living for the approval of this culture, or for the approval of Jesus. Then ask yourself, “In the end whose judgment seat will I stand before?” We are to live out our lives before the Audience of One. His approval is the one that matters. If our goal is to hear others say, “Well done,” we won’t do what we need to do to hear Him say it.

We should remind ourselves of what the Bible says about being fools for Christ (1 Corinthians 1:18–31; 4:8-13). The question is not whether we will be seen as fools—that part is certain—but when and to whom we will be seen as fools. Better to be seen as fools now in the eyes of other people—including other Christians—than to be seen as fools forever in the eyes of the Audience of One.  

5. God is sovereign, and I can trust that He is working all things—including the most difficult things—in my life together for good.

And we know that for those who love God all things work together for good, for those who are called according to his purpose (Romans 8:28).

In the midst of a world that groans under suffering and evil, God’s main concern is conforming His children to the image of Christ. And He works through the challenging circumstances of our lives to help develop that Christlikeness in us. We can be assured that whatever difficulty He has allowed in our lives has been Father-filtered, through His fingers of wisdom and love.

Perhaps the greatest test of whether we who are Christ’s follow­ers believe the truth of Romans 8:28 is to identify the very worst things that have ever happened to us, then to ask whether we believe God will in the end somehow use those things for our good. The Bible is emphatic that He will. We have no reason to think He’ll be any less trustworthy concerning this than with any other promise He has made. By faith let’s trust Him today that in eternity we’ll look back and see, in retrospect, how Romans 8:28 was absolutely true!

6. My ultimate home will be the New Earth, where I will see and enjoy God and serve Him as a resurrected being in a resurrected human society.

DaisiesBut according to his promise we are waiting for new heavens and a new earth in which righteousness dwells (2 Peter 3:13).

Is resurrected living in a resurrected world with the resurrected Christ and his resurrected people your daily longing and hope? Is it part of the gospel you share with others? Paul says that the resurrection of the dead is the hope in which we were saved. It will be the glorious climax of God’s saving work that began at our regeneration. It will mark the final end of any and all sin that separates us from God. In liberating us from sin and all its consequences, the resurrection will free us to live with God, gaze on Him, and enjoy His uninterrupted fellowship forever, with no threat that anything will ever again come between us and Him.

 

Image credits: fieldBible reading both via sxc.hu; daisy by Stephanie Anderson, EPM staff, Top Photo: Unsplash

Randy Alcorn, founder of EPM

Randy Alcorn (@randyalcorn) is the author of over fifty books and the founder and director of Eternal Perspective Ministries

You might also like…