Ajudando Uns Aos Outros a Abandonar o Pecado e a Seguir a Jesus (Helping One Another Forsake Sin and Follow Jesus)

 
O versículo mais comumente citado (e frequentemente mal interpretado) nas igrejas não é mais João 3.16, mas Mateus 7.1, "Não julgueis". Ironicamente, algumas pessoas que costumam violar o verdadeiro sentido deste versículo, o citam para justificar seu próprio insucesso em ajudar outras pessoas a seguirem a Jesus. Na verdade, estāo interpretando "Não julgueis" como se fosse "Nāo cuideis" e "Nāo ajudeis".
 
Com demasiada frequência, como crentes, não nos damos conta de que a coisa mais bondosa que podemos oferecer uns aos outros é a verdade. Nossa tarefa não é apenas nos ajudarmos a nos sentirmos bem, mas nos ajudarmos a sermos bons. Frequentemente, parecemos pensar que nossas únicas opções são: 1) falar a verdade rispidamente; Ou 2) não dizer nada em nome da graça. Isto é um engano.
 
Jesus veio cheio de graça E verdade. Não devemos escolher entre as duas, mas exercer ambas. Aprendemos que devemos falar "a verdade com espírito de amor" uns para com os outros (Efésios 4.15 - NTLH). Devemos compartilhar a verdade com humildade, como um ato de graça, lembrando-nos a nós mesmos e uns aos outros, que necessitamos tāo urgentemente da graça de Deus quanto aqueles a quem a estamos oferecendo. 
 
Digamos, por exemplo, que você conheça e faça amizade com um jovem casal recém-chegado à sua igreja. Estão vivendo juntos sem serem casados e dizem que querem seguir a Cristo. Das duas, uma: Você conta a eles o que Deus diz sobre o sexo fora do casamento, ou presume que não é da sua conta e não diz nada? 
 
Creio que quando pessoas nesta situação visitam nossas igrejas, pequenos grupos ou casas, nossa primeira tarefa nāo é tentar corrigir seu comportamento, e sim demonstrar a graça e a verdade de Jesus Cristo. Não creio que devamos esperar um comportamento cristão entre não-cristãos ou mesmo entre crentes nominais. Devemos ter a expectativa de um comportamento cristão entre aqueles que se declaram seguidores de Cristo e se identificam com a igreja, o corpo de Cristo. Nestes casos, se deixarmos de dizer-lhes graciosamente a verdade de Deus sobre o sexo e o casamento, e não os ajudarmos a fazer escolhas corretas, então não conseguiremos ajudá-los a atingir seu próprio objetivo declarado de seguir a Cristo.
 
Portanto, quando alguém diz "quero seguir a Jesus", mas está vivendo em pecado, penso que devemos apontar para o que Cristo nos ordena, e lembrá-los de que Ele é quem nos dá o poder e a força para obedecê-Lo. As Escrituras dizem que a graça de Deus se manifestou "educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente" (Tito 2.12). A graça de Deus não é apenas para perdoar pecados, mas é fonte de poder para vivermos em santidade. 
 
Eu estava lecionando o livro de 1 Coríntios em uma faculdade bíblica. Começamos a examinar a pureza sexual em 1 Coríntios 6.18-20. Um casal na casa dos trinta anos veio falar comigo após a aula e disseram: "Nunca ouvimos isto antes; estamos vivendo juntos há oito anos. Fomos convertidos a Cristo há dois anos, e estamos muito envolvidos em nossa igreja. Você está realmente dizendo que o sexo fora do casamento é algo que Jesus não quer que façamos?"
 
Eu os elogiei por querer seguir a Cristo de todo o coração. Quando abrimos as Escrituras, ficou claro para eles que necessitavam se casar imediatamente, e não mais viver juntos até que o fizessem. Mas eles ficaram confusos e até mesmo se sentiram traídos pelo fato de que ninguém em sua igreja havia falado com eles sobre isso.
 
Há muitos anos, Nanci e eu participamos de um estudo bíblico em casa, promovido por nossa igreja. O grupo já estava se reunindo por três meses, quando alguém mencionou, de passagem, que um dos casais não era casado, mas estavam morando juntos. Liguei para o líder do grupo e perguntei se isso era verdade. Ele disse que sim. Perguntei a ele se havia contado ao jovem, que havia se convertido a Cristo há pelo menos dois anos, que isso não era honrar ao Senhor. Ele disse que não havia mencionado isto porque não queria machucá-los. Ele esperava que eventualmente eles descobrissem isto, mas a tarefa do grupo era de amá-los e não de julgá-los. Eu disse que concordava que devíamos amá-los. E quando se ama alguém, não se quer que eles pequem, porque o pecado nunca está a seu favor. O pecado traz julgamento, e não queremos que aqueles que amamos caiam sob o juízo de Deus, mas que recebam calorosamente o perdāo pela graça que Jesus conquistou para nós, indo à cruz.
 
Expliquei que agora que sabia desta história, precisaria ir compartilhar a verdade com o jovem. O líder e outro indivíduo do grupo vieram comigo naquela noite. Ligamos para o jovem e nos convidamos para visitá-lo, e enquanto a namorada e o bebê estavam com uma das mulheres do grupo, nos sentamos com ele na sala de estar. Ele estava super nervoso. Não foi confortável para ninguém. Muitas vezes, fazer o que é certo não é confortável.
 
Perguntei se ele sabia o quanto o amávamos e à sua namorada. Ele disse: "Claro". Nosso grupo os havia ajudado de várias maneiras. Ele sabia.
 
Eu disse que queria compartilhar com ele alguns textos bíblicos. Então ele olhou para mim e disse: "Você vai nos dizer que devemos nos casar?"
 
Respondi que sim.
 
Então as palavras transbordaram dele: "Nós realmente queremos nos casar. Nos sentimos tão mal porque ainda nāo o fizemos. Estamos tentando ler a Bíblia, mas nos sentimos fracassados. Quando vamos à igreja, nos sentimos hipócritas. Mas não temos dinheiro para fazer um casamento decente, e não posso comprar uma aliança. Ela está muito envergonhada por não sermos casados. É estranho por causa do nosso bebê. E para ser sincero, estava me perguntando se alguém iria falar conosco sobre isso."
 
Em conclusāo, abraçamos este irmão e o desafiamos a ser um verdadeiro homem, um homem de Deus, e a honrar a Jesus e liderar sua namorada, corrigindo esta situaçāo. Ele orou e pediu perdão a Deus por ter relações sexuais fora do casamento. Um fardo foi retirado dele. Juntos, desenvolvemos um plano de como ele poderia se mudar por algumas semanas até que pudessem se casar. Nós rimos e nos abraçamos, e este irmão se sentiu amado e incrivelmente aliviado. Ao invés de ser envergonhado, que era o medo do líder, ele teve sua vergonha removida.
 
Nosso pequeno grupo organizou imediatamente o casamento na nossa igreja. Em pouco tempo, as mulheres do grupo arranjaram um vestido e outras coisas para a namorada, e membros da igreja voluntariaram-se, oferecendo a comida e o bolo. Seus pais vieram de aviāo de outras partes do país e todos se emocionaram e comemoraram. Tive a honra de celebrar o casamento deste casal, e de segurar seu precioso bebezinho durante a cerimônia. Foi uma das coisas mais bonitas de que já fiz parte. É difícil explicar o quão honrado e especial esse casal se sentiu. O povo de Deus os amara, ajudando-os a se livrar do pecado e da culpa que os envolvia, e a levá-los à pureza e à paz.
 
Sempre que ouço pessoas dizerem, como se estivessem num grau mais elevado de espiritualidade, "não querer que cristãos que vivem juntos se sintam culpados", a alegria pura deste jovem casal inunda minha mente. Podemos gentilmente apontar os pecados uns dos outros, sem usar um lança-chamas. Deus nos diz para falar a verdade em amor, e se estivermos retendo a verdade ao invés de falar a verdade, não estamos sendo nem obedientes nem amorosos.
 
Se você ama alguém que diz querer seguir a Jesus, não ignore o pecado que está destruindo esta vida. Vá a essa pessoa com humildade e oração, e represente a Jesus, ajudando-a a alcançar seu objetivo declarado de honrar a Cristo como Senhor. Deus nos chama a levar amor, graça e libertação para aqueles cujo pecado os está destruindo. E é claro que exatamente o mesmo se aplica a outros pecados, como a fofoca, a gula, as calúnias, a inveja e o semear a discórdia entre os irmãos. Randy Alcorn é autor de mais de cinquenta livros e fundador e diretor do ministério Eternal Perspective. 

Helping One Another Forsake Sin and Follow Jesus 

The most commonly quoted (and often misunderstood) verse in churches is no longer John 3:16 but Matthew 7:1, “Judge not.” Ironically, people who routinely violate what the verse is really saying quote the verse to justify their own failure to assist other people in following Jesus. Hence, they interpret “Judge not” as if it were “Care not” and “Help not.”

All too often, as believers we don’t realize that the greatest kindness we can offer each other is the truth. Our job is not just to help each other feel good but to help each other be good. We often seem to think that our only options are to: 1) speak the truth hurtfully; or 2) say nothing in the name of grace. This is a lie.

Jesus came full of grace AND truth. We should not choose between them, but do both. We are told that we should be “speaking the truth in love” to each other (Ephesians 4:15). We should share the truth with humility, as an act of grace, reminding ourselves and each other that we desperately need God’s grace every bit as much as do those we’re offering it to.

Let’s say, for example, that you meet and befriend a young couple who are fairly new at your church. They are living together and say they want to follow Christ. You face a choice. Do you tell them what God says about sex outside of marriage, or do you assume it’s none of your business and say nothing?

I believe that when people who are living together visit our churches or small groups or homes, it’s not our first job to try to correct their behavior, but instead to demonstrate the grace and truth of Jesus Christ. I don’t believe we should expect Christian behavior among nonbelievers or even nominal believers. Where we should expect Christian behavior is among those who declare they are Christ’s followers and identify themselves with the church, the body of Christ. In such cases, if we fail to graciously tell them God’s truth about sex and marriage, and fail to assist them in making right choices, then we fail to help them fulfill their own stated goal of following Christ.

So when someone says “I want to follow Jesus” but is living in sin, I think we should point to what Christ commands of us, and remind them that He gives the power and strength to obey Him. Scripture says that the grace of God “teaches us to say ‘No’ to ungodliness and worldly passions, and to live self-controlled, upright and godly lives in this present age” (Titus 2:12). God’s grace is not only for forgiveness of sin, but empowerment to live in holiness.

I was teaching the book of 1 Corinthians at a Bible college. We got into sexual purity in 1 Corinthians 6:18-20. A couple in their thirties came up after this session and said, “We’ve never heard this before; we’ve been living together for eight years. We just came to Christ two years ago, and we’re very involved in our church. Are you really saying sex outside of marriage is something Jesus doesn’t want us to do?”

I commended them for wanting to follow Christ wholeheartedly. When we opened Scripture it was clear to them they needed to get married right away, and no longer live together until they did. But they felt confused and even betrayed that no one in their church had talked to them about this.

Many years ago Nanci and I were in a home Bible study in our church. The group had been meeting three months when someone mentioned in passing that one of the couples wasn’t married but was living together. I called the group leader and asked if this was true. He said yes. I asked if he had told the young man—who’d come to Christ at least two years earlier—that this wasn’t honoring to the Lord. He said he hadn’t mentioned it because he didn’t want to hurt them. He hoped eventually they would figure it out, but it was the group’s job to love them, not judge them. I said I agreed we should love them. And when you love someone, you don’t want them to sin, because sin is never in their best interests. Sin brings judgment, and we do not want those we love to fall under the judgment of God, but rather to embrace the forgiving grace He went to the cross to offer them.

I explained that now that I knew about this, I would need to go to the young man and share with him the truth. The leader and another guy from the group came with me that night. We called the young man and invited ourselves over, and while his girlfriend and the baby were with one of the ladies in the group, we sat down with him in his living room. He was super nervous. It wasn’t comfortable for any of us. What’s right often isn’t.

I asked him if he knew how much we loved him and his girlfriend. He said, “Sure.” Our group had helped them out in various ways. He knew.

I told him I wanted to share some Scripture with him. Then he looked at me and said, “Are you going to tell us we should get married?”

I said, “Yes.”

The words poured out from him. He said, “We really want to. We feel so bad we haven’t. We’re trying to read the Bible and we feel like we’re just a couple of losers. When we go to church, we feel like hypocrites. But we don’t have the money to have a decent wedding, and I can’t afford a ring. She’s so ashamed that we’re not married. It’s awkward because of our baby. And to be honest, I wondered if anyone was ever going to talk to us about it.”

Bottom line, we put our arms around this brother and challenged him to be a real man, God’s man, and honor Jesus and lead his girlfriend, and make this right. He prayed and asked God’s forgiveness for having sex outside of marriage. A burden was lifted from him. Together, we developed a plan for how they could move out from each other just for a few weeks until we could get them married. We laughed and hugged and this brother felt loved and incredibly relieved. Instead of being shamed, which was the leader’s fear, he had his shame removed.

Our small group immediately set up a wedding at our church. On short notice, the women in the group got the girlfriend a dress and everything else, and we found people at church to volunteer food and a cake. Their parents flew in from other parts of the country and everyone cried and celebrated. I had the honor of marrying this couple, and holding their precious baby in the ceremony. It was one of the most beautiful things I’ve ever been part of. I cannot tell you how honored and special this couple felt. God’s people had loved them by helping deliver them from the sin and guilt that entangled them, and bring them to purity and peace.

The sheer joy of that young couple floods my mind when I hear people talk as if they are taking the spiritual high ground by “not laying a guilt trip on Christians who are living together.” We can gently point out sin to each other without using a flame-thrower. God tells us to speak the truth in love, and if we are withholding the truth instead of speaking it, we are not being obedient or loving.

If you love someone who says they want to follow Jesus, you don’t ignore sin that is destroying their lives. You go to them humbly and prayerfully, and represent Jesus and help them fulfill their stated goal of honoring Christ as Lord. God calls us to bring love and grace and liberation to those whose sin is destroying them. Of course, exactly the same applies to other sins, including gossip and gluttony and slander and envy and sowing discord among brothers.

Photo by Matheus Ferrero on Unsplash
Randy Alcorn, founder of EPM

Randy Alcorn (@randyalcorn) is the author of over fifty books and the founder and director of Eternal Perspective Ministries