Encontrando Perdão e Liberdade Após um Aborto (Finding Forgiveness and Freedom After Abortion)

Milhões de mulheres e homens, tanto na sociedade quanto na igreja, estão sofrendo de culpa por causa de um aborto. Se você é uma mulher que fez um aborto, ou aconselhou alguém a ter um, este artigo é para você. Se você é um homem que esteve envolvido numa decisão de aborto — seja em relação a sua namorada, esposa, filha ou qualquer outra pessoa — também é para você.
 
É contraproducente tentar eliminar os sentimentos de culpa sem lidar com as causas da culpa. Somente negando a realidade é possível evitar os sentimentos de culpa. O que é necessário, é uma solução permanente para o problema, uma solução baseada na realidade, e não no fingimento.
 
As boas novas sāo que Deus a(o) ama e deseja perdoá-la(o) por seu aborto, quer você soubesse ou não o que estava fazendo. Mas antes que as boas novas possam ser reconhecidas, necessitamos conhecer as más novas. As más novas sāo que há uma verdadeira culpa moral, e todos nós somos culpados de muitas ofensas morais contra Deus, das quais o aborto é apenas uma delas. "Todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Romanos 3.23).
 
O pecado não se adequa aos padrões sagrados de Deus. O pecado nos separa de um relacionamento com Deus (Isaías 59.2). “O salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6.23).
 
Jesus morreu na cruz como o único digno de pagar a penalidade por nossos pecados exigidos pela santidade de Deus (2 Coríntios 5.21). Ele ressuscitou da sepultura, derrotando o pecado e conquistando a morte (1 Coríntios 15.3-4, 54-57).
 
Quando Cristo morreu na cruz por nós, Ele disse: “Está consumado” (João 19.30). A palavra grega traduzida como "está consumado" era escrita em certificados de dívida quando estes eram cancelados. Isso significava "pago completamente". 
 
Por causa da obra de Cristo na cruz a nosso favor, Deus nos oferece livremente o perdão.
 
“Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” (Salmo 103.2).
 
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1.9). 
 
“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1).
 
A salvação é uma dádiva: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2.8,9). Esse dom não depende do nosso mérito ou esforço, mas unicamente do sacrifício de Cristo por nós. Deus nos oferece a dádiva do perdão e da vida eterna, mas isso não é automaticamente nosso. Para receber esta dádiva, devemos escolher aceitá-la.
 
Pode ser que você esteja pensando: “Mas eu não mereço perdão depois de tudo que fiz”. Isso é exatamente correto. Nenhum de nós merece o perdão. Se o merecêssemos, não necessitaríamos dele. É disso que se trata a graça.
 
Uma vez perdoados, podemos esperar passar a eternidade com Cristo e com nossa família espiritual (João 14.1-3; Apocalipse 20.11-22.6). Podemos ter esperança de nos reunir no Céu com nossos entes queridos cobertos pelo sangue de Cristo, incluindo as crianças perdidas por meio de aborto (1 Tessalonicenses 4.13-18).
 
Deus não quer que você passe a vida se punindo por seu aborto ou por qualquer outro erro que tenha cometido. Sua parte é aceitar a expiação de Cristo, e não tentar repeti-la. Não importa o que tenha feito, nenhum pecado está além do alcance da graça de Deus. Ele nos viu em nossos piores momentos e ainda assim nos ama. Não há limites para a Sua graça perdoadora. E não há liberdade como a liberdade do perdão.
 
Você precisa se tornar parte de uma comunidade terapêutica, uma família de cristãos chamada igreja. (Se você já está em uma igreja, compartilhe sua experiência de aborto com alguém para obter a ajuda específica que você necessita.) Pode ser que você se sinta insegura entre cristãos por causa do seu passado. Você não deve se sentir assim. Uma verdadeira igreja centrada em Cristo não é uma vitrine para santos, mas um hospital para pecadores. As pessoas às quais você está se juntando são tão humanas e imperfeitas quanto você. A maioria das pessoas da igreja não se auto justificam. E os que o fazem, na verdade, são dignos de pena, porque não entendem a graça de Deus.
 
Uma boa igreja ensina as verdades da Bíblia e lhe fornecerá amor, aceitação e apoio. 
 
Um passo saudável que você pode dar é se aproximar de mulheres que estão atravessando uma gravidez indesejada. Deus pode eventualmente usar sua experiência para equipá-la com o intuito de ajudar aos outros e compartilhar com eles o amor de Deus. Minha esposa e eu temos várias pessoas amigas que fizeram abortos. Através de seus esforços pró-vida, elas deram a outras mulheres a ajuda que desejam que alguém lhes tivesse prestado. Compartilhar suas histórias não só salvou a vida das crianças, e as mães da dor de um aborto, mas ajudou a trazer cura para elas mesmas. O mesmo pode acontecer com você.
 
 
Por Randy Alcorn Traduzido por: Nathanael Baldez

 


Finding Forgiveness and Freedom After Abortion

Millions of women and men, both in society and in the church, are suffering under the guilt of abortion. If you’re a woman who’s had an abortion, or advised another to have one, this blog is for you. If you’re a man who’s been involved in an abortion decision—whether it concerned your girlfriend, wife, daughter, or anyone—it’s also for you.

It’s counterproductive to try to eliminate guilt feelings without dealing with guilt’s cause. Only by denying reality can you avoid guilt feelings. You need a permanent solution to your guilt problem, a solution based on reality, not pretense.

The good news is that God loves you and desires to forgive you for your abortion, whether or not you knew what you were doing. But before the good news can be appreciated, we must know the bad news. The bad news is that there’s true moral guilt, and all of us are guilty of many moral offenses against God, of which abortion is only one. “All have sinned and fall short of the glory of God” (Romans 3:23).

Sin is falling short of God’s holy standards. It separates us from a relationship with God (Isaiah 59:2). “The wages of sin is death, but the gift of God is eternal life in Christ Jesus our Lord” (Romans 6:23).

Jesus died on the cross as the only one worthy to pay the penalty for our sins demanded by God’s holiness (2 Corinthians 5:21). He rose from the grave, defeating sin and conquering death (1 Corinthians 15:3-4, 54-57).

When Christ died on the cross for us, He said, “It is finished” (John 19:30). The Greek word translated “it is finished” was written across certificates of debt when they were canceled. It meant “paid in full.”

Because of Christ’s work on the cross on our behalf, God freely offers us forgiveness.

“As far as the east is from the west, so far has he removed our transgressions from us” (Psalm 103:12).

“If we confess our sins, he is faithful and just and will forgive us our sins and purify us from all unrighteousness” (1 John 1:9).

“Therefore, there is now no condemnation for those who are in Christ Jesus” (Romans 8:1).

Salvation is a gift: “For it is by grace you have been saved, through faith—and this not from yourselves, it is the gift of God—not by works, so that no one can boast” (Ephesians 2:8-9). This gift is not dependent on our merit or effort, but solely on Christ’s sacrifice for us. God offers us the gift of forgiveness and eternal life, but it’s not automatically ours. In order to have the gift, we must choose to accept it.

You may think, “But I don’t deserve forgiveness after all I’ve done.” That’s exactly right. None of us deserves forgiveness. If we deserved it, we wouldn’t need it. That’s the point of grace.

Once forgiven, we can look forward to spending eternity with Christ and our spiritual family (John 14:1-3; Revelation 20:11-22:6). You can look forward to being reunited in Heaven with your loved ones covered by Christ’s blood, including the child you lost through abortion (1 Thessalonians 4:13-18).

God doesn’t want you to go through life punishing yourself for your abortion or for any other wrong you have done. Your part is to accept Christ’s atonement, not to repeat it. No matter what you’ve done, no sin is beyond the reach of God’s grace. He has seen us at our worst and still loves us. There are no limits to His forgiving grace. And there is no freedom like the freedom of forgiveness.

Joining a group for post-abortion healing can help you immensely. You may have bitterness toward men who used and abused you and forgiveness issues towards those who helped you with your abortion decision (see Matthew 6:14-15). There are post-abortion Bible studies designed for women, and others for men. Many online resources can help you find the support group you need. (See www.healinghearts.org and http://afterabortion.org/help-healing/; call 1-888-486-HOPE for free confidential advice.)

You need to become part of a therapeutic community, a family of Christians called a church. (If you’re already in a church, share your abortion experience with someone to get the specific help you need.) You may feel self-conscious around Christians because of your past. You shouldn’t. A true Christ-centered church isn’t a showcase for saints but a hospital for sinners. The people you’re joining are just as human and imperfect as you. Most church people aren’t self-righteous. Those who are should be pitied because they don’t understand God’s grace.

A good church will teach the truths of the Bible, and will provide love, acceptance, and support for you. If you cannot find such a church in your area, contact EPM and we’ll gladly do what we can to help you.

A healthy step you can take is to reach out to women experiencing unwelcome pregnancies. God can eventually use your experience to equip you to help others and to share with them God’s love. My wife and I have a number of good friends who’ve had abortions. Through their caring prolife efforts they’ve given to other women the help they wish someone had given them. Telling their stories has not only saved children’s lives, and mothers from the pain of abortion, but has helped bring healing to them. It can do the same for you.

Photo by Josh Bean on Unsplash

Randy Alcorn, founder of EPM

Randy Alcorn (@randyalcorn) is the author of over fifty books and the founder and director of Eternal Perspective Ministries