Vitória Sobre a Pornografia (Overcoming Pornography)

Imagens explícitas estāo cada vez mais facilmente disponíveis. Antigamente, para adquirir revistas ou vídeos pornográficos, era preciso comprá-los ou alugá-los fisicamente.  Mas agora, com apenas alguns cliques ou com a ponta do dedo em um computador, laptop ou celular, qualquer um tem acesso instantâneo a milhares de imagens e vídeos pornográficos.
 
Numerosos estudos mostram que em uma semana típica a maioria dos homens que se dizem cristãos consomem imagens pornográficas. Inúmeros crentes estão escravizados por este comportamento pecaminoso e muitos se sentem sem esperança e capacidade para superá-lo. Estamos em uma batalha — das grandes — e precisamos de uma estratégia para vencermos nessa área de tentação sexual. Esta é uma batalha espiritual (Ef 6.12), mas como filhos de Deus, temos o necessário para vence-la (1Co 10.13). 
 
Escolhendo a Obediência
 
As Escrituras dizem que Satanás anda ao derredor como um leão que ruge, procurando alguém que possa devorar. Ele nos quer sob escravidão; Cristo nos quer livres para viver em obediência. A desobediência é contagiosa, mas a obediência também o é. Quanto mais fazemos isto, mais se torna o padrão de nossas vidas.
 
Necessitamos invocar os recursos que Cristo nos confere, e depender dEle, ao mesmo tempo em que resolutamente tomamos decisões para remover a tentação. Se o acesso à internet, até mesmo em um celular, é fonte de tentação, então necessitamos eliminá-lo. O acesso à Internet não é um mandato bíblico. Para uma pessoa que acessa sites pornográficos, tê-los a apenas dois cliques de alcance é completamente tolo. É como manter revistas explícitas em nossas prateleiras, esperando um momento de fraqueza para olhá-las. Se a pureza for opcional, nunca iremos experimentá-la.
 
Agora mesmo, em momentos de força, devemos fazer escolhas que nos ajudem nos momentos de fraqueza. Se não cortamos radicalmente as fontes das tentações que nos perseguem, então estamos apenas brincando e não temos intenção nenhuma de obedecer a Cristo. (Sim, não podemos eliminar algumas dessas tentações sem nos tornarmos ermitões, mas muitas delas podemos.) Podemos tomar ações determinantes ao nos livrarmos de qualquer coisa em nossas casas e locais de trabalho que nos levem a pecar — incluindo livros, revistas, anúncios de jornal, fotos, pôsteres, filmes, TV e acesso à internet. Se para evitar a tentaçāo, for necessário cancelar a TV por assinatura, não podemos esperar que Deus faça isto por nós. Isto é obrigaçāo nossa.
 
As escrituras dizem: "Fugi da impureza" (1Co 6.8). Esta não é uma sugestão, é uma ordem. Se a desobedecermos, será para nossa própria destruição. Não devemos apenas nos afastar da tentação; devemos dar as costas e fugir dela. É uma boa ideia escrever este versículo e colocá-lo bem à vista: “Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho" Sl 119.37.
 
Recomendo firmemente que aqueles que contendem com a tentaçāo de olhar pornografia se envolvam com um grupo de recuperação para prestar contas. Na minha experiência, ninguém que tenta se livrar disto sozinho o consegue. Necessitamos do Senhor, mas necessitamos que Seu povo nos ajude, nos confronte, nos questione e que fique conosco.
 
Além disso, há muitos bons livros e recursos de qualidade sobre a luta contra a imoralidade sexual e, especificamente, contra a pornografia.
 
Deus está pronto e disposto a fazer uma obra de graça e sobrepujar a cegueira e os velhos hábitos e padrões que nos escravizam. Ele deseja aquilo que é melhor para nós enquanto o maligno deseja aquilo que é pior. Vamos escolher o que é melhor: a vida, e não a morte (Dt 30.19). Pelo poder do Seu Espírito, podemos fazer isso.
 
Mudando Nosso Comportamento
 
Certa noite, quando era um jovem pastor, optei por olhar pornografia. Senti-me muito mal. Havia fracassado perante meu Senhor, minha esposa e minha igreja. Havia sido um tolo. Tive um vislumbre terrível daquilo em que eu facilmente poderia me tornar. Mas a vergonha não fez nada para me libertar daquilo. Eu tive que começar a pensar — e a escolher — de forma diferente.
 
Necessitamos entender que é possível controlar nosso comportamento e nossas escolhas, não importa quão vis ou persistentes sejam as tentações. Conheço muitos homens (e algumas mulheres) que enfrentam a tentação da pornografia, mas resistem consistentemente tanto em pensamentos, quanto em atos.
A existência de um desejo não justifica ou torna necessário sucumbir a este desejo. Vivemos em uma sociedade hedonista que nos diz que os desejos existem para serem satisfeitos. Mas nem todo desejo precisa ser satisfeito e, de fato, em muitos casos, não devem ser satisfeitos. Nós não somos animais cegamente dirigidos pelo desejo. Somos seres humanos, criados à imagem de Deus, com capacidade de escolha. Nós não somos vítimas Cada ação é uma escolha. Cada pecado é uma escolha. Cada comportamento correto é uma escolha.
 
Se sentirmos que nossos desejos são tão fortes que "temos que" olhar pornografia, devemos nos fazer a pergunta: "Eu ainda faria isso se alguém apontasse uma arma para minha cabeça e prometesse atirar se eu o fizesse?" Se a resposta for não — e é claro que é — isto demonstra que não temos que tomar essa decisão, mas apenas que queremos e decidimos tomá-la. (Quando estivermos no céu com Cristo, não haverá mais pecado ou tentação. Até lá, temos que enfrentar as tentações, mas não necessitamos sucumbir a elas.)
 
É necessário ativamente resistir e nos recusar a ceder aos maus desejos e fantasias que se impõem sobre nós. “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria;” (Cl 3.5). Não é impossível. Deus não é cruel. Ele nunca nos ordena algo sem nos dar o poder em Cristo para obedecê-lo. Podemos invocar a Cristo por esse poder.
 
É possível, com o tempo, redirecionar e mudar nossos corações. Jesus disse que o pecado sexual começa no coração - “Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela." (Mt. 5:28). Todo o mal reside e é cultivado no coração, e o comportamento externo é o produto deste mal interior. Isto significa que necessitamos de um transplante de coração, uma reprogramação mental, uma mudança em nosso interior.
 
Deus diz: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas." (2 Co 5.17). Se realmente nos voltamos para Cristo, se confessamos sinceramente nosso pecado e nossa absoluta indignidade, se verdadeiramente confiamos nele para nos salvar de nossos pecados, então somos uma nova pessoa. Afim de viver como uma nova pessoa, precisamos meditar sobre esta nova realidade e adotá-la como verdade. Os velhos hábitos de pensamento e ações pecaminosos têm padrões enraizados. Para quebrar esses hábitos e estabelecer novos padrões, necessitamos nos voltar para nossa nova identidade em Cristo e cultivá-la, estabelecendo um novo conjunto de hábitos que a reforcem.
 
Cultivando Nossas Vidas Interiores
 
1 Pedro 1.13 diz que somos responsáveis ​​pela maneira como pensamos. Devemos nos responsabilizar por nossos pensamentos e focalizá-los naquilo que é correto, e não no que é errado: “Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo.” Romanos 12.2 diz: "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente."
 
Como podemos renovar nossas mentes? Enchendo-as com aquilo que é certo e verdadeiro, especialmente a Palavra de Deus. O Salmo 119.11 diz: "Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti." Observe que este verso diz que o pecado não é prevenido simplesmente pelo refrear do corpo, mas pela reeducaçāo do coração, a partir do qual as ações fluem.
 
As batalhas que são travadas a cada dia em nossas mentes e em nossas telas de computador cobram seu preço espiritual.  Ao cultivar o nosso interior é mais provável que experimentemos vitórias diárias.  
 
É difícil excluir arquivos infectados do nosso disco rígido cerebral, mas podemos restringir a quantidade de novos arquivos infectados. Assim, poderemos abrir muitos arquivos bons. Isso é causa e efeito. Quanto mais enchermos nossa mente com pureza e menos com impureza, maior será nossa pureza e resistência à tentação. Podemos construir nosso relacionamento com Cristo orando, lendo a Palavra de Deus e meditando nela, lendo grandes livros, ouvindo as Escrituras e livros em áudio e ensinamentos a partir da Palavra de Deus. É preciso preencher nossas vidas com as melhores coisas, aquelas que glorificam a Deus. Então, quando sentirmos quão satisfatórias elas são, será mais fácil resistir às coisas que nos tentam e nos destroem. “na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente" (Sl 16.11).
 
À medida que eliminamos o lixo e o substituímos por aquilo que honra a Deus, sentiremos que é mais fácil obedecer a Filipenses 4.8: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”
 
Quando escolhemos alimentar nossos desejos justos e deixar nossos desejos injustos passar fome, pela graça de Deus, programaremos nossas vidas para a justiça. Começaremos a pensar e viver como as novas criaturas que Deus nos fez em Cristo. Poderemos experimentar a vitória na guerra contra a pornografia.
 
Que possamos caminhar nessa vitória e vivenciar a alegria e a liberdade da pureza.
 
 
Traduzido por Vittor Rocha 

Overcoming Pornography 

Explicit images are far more readily available than ever before. It used to be that in order to acquire pornographic magazines or videos, you actually had to purchase or rent them.  But now, with just a few key strokes or moving a fingertip on a computer, laptop, or cell phone, anyone has instant access to thousands of pornographic images and videos.

Numerous studies have shown that a majority of men who profess to be Christians view pornographic images in any given week. Countless believers are in bondage to this sinful behavior and many feel hopeless about being able to overcome it. We’re in a battle—big time—and we need a strategy to have victory in this area of sexual temptation. This is a spiritual battle (Eph. 6:12), but as children of God, we are equipped to win it (1 Cor. 10:13).

Choosing Obedience

Scripture says that Satan goes around like a roaring lion, seeking whom he may devour. He wants us in bondage; Christ wants us free to live in obedience. Disobedience is contagious, but so is obedience. The more we do it, the more it becomes the pattern of our lives.

We must call upon the resources of Christ granted to us, and depend upon Him, while decisively making the choices to remove temptation. If internet access, even on a cell phone, is a source of temptation, then we need to cut it off. Internet access is not a biblical mandate. To a person who goes to pornographic sites, having them just a double click away is utterly foolish. It’s like keeping explicit magazines on our bookshelves, waiting for us to come to them in a weak moment. If purity is optional, we will never experience it.

Right now, in moments of strength, we must make choices that will serve us well in moments of weakness. If we don’t radically cut off the sources of the temptations that pursue us, then we are just playing games, and have no intention of obeying Christ. (Yes, some of these temptations we can’t cut off without being hermits, but many of them we can.) We can take decisive actions by getting rid of anything in our homes and workplace that draw us to sin—including books, magazines, newspaper ads, pictures, posters, movies, TV, and internet access. We can’t expect God to call the cable company and cut off our service, if that’s necessary to avoid temptation. That’s our job.

Scripture says to “Flee from sexual immorality” (1 Cor. 6:18). This is not a suggestion, it’s a command. We disobey it to our own destruction. We must not just walk away from temptation; we must turn and run from it. It’s a good idea to write out this verse and put it where you will see it: “Turn my eyes from worthless things; renew my life according to your Word” (Ps. 119:37).

I highly recommend that those struggling with pornography get involved with a recovery group for accountability. In my experience with others, no one who tries to dig out of this by himself ultimately succeeds. We need the Lord, but we need His people to help and confront and ask and stand with us.
In addition, there are many quality books and resources about battling sexual immorality, and specifically pornography.

God is ready and willing to do a work of grace and cut through the blindness and the old habits and patterns that enslave us. He wants what’s best for us; the evil one wants what’s worst. Let’s choose what’s best: life, not death (Deut. 30:19). Through the power of His Spirit, we can do this.

Changing Our Behavior

One night as a young pastor I chose to view pornography. I felt terrible. I’d failed my Lord, my wife, my church. I’d been a fool. I caught a horrifying glimpse of what I could easily become. But shame did nothing to deliver me. I had to start thinking—and choosing—differently.

We must realize it is possible to control our behavior and choices no matter how vile or persistent the temptations. I know many men (and some women) who face temptation toward pornography, but they consistently resist both the thoughts and the actions.

The existence of a desire does not justify or necessitate succumbing to that desire. We live in a hedonistic society that tells us desires are meant to be fulfilled. But every desire need not be fulfilled, and indeed, in many cases, should not be. We are not animals blindly compelled by desire. We are human beings, created in God’s image, with the capacity to choose. We are not victims. Every action is a choice. Every sin is a choice. Every right behavior is a choice.

If we feel our desires are so strong that we “must” look at pornography, we should ask ourselves the question, “Would I still do this if someone pointed a gun at my head and promised to fire it if I did?” If the answer is no—and of course it is—it demonstrates that we don’t have to make this choice, but merely that we want to and choose to. (Once we’re in Heaven with Christ there will be no more sin or even temptation. Until then we have to face temptations, but we don’t have to succumb to them.)

We must actively resist and refuse to give in to the evil desires and fantasies that push themselves upon us. “Put to death, therefore, whatever belongs to your earthly nature: sexual immorality, impurity, lust, evil desires and greed, which is idolatry” (Col. 3:5). This isn’t impossible. God is not cruel. He never commands us to do something without giving us the power in Christ to obey Him. We can call upon Christ for that power.

It is possible over time to redirect and change our hearts. Jesus said sexual sin begins in the heart—“I tell you that anyone who looks at a woman lustfully has already committed adultery with her in his heart” (Matt. 5:27-28). All evil resides and is cultivated in the heart, and outward behavior is the product of this inner evil. That means that we need a heart transplant, a mind reprogramming, a change in our inner beings.

God says “If any man is in Christ he is a new creation; the old has gone, the new has come!” (2 Cor. 5:17). If we have truly turned to Christ, truly confessed ours sin and utter unworthiness, truly trusted him to save us from our sins, then we are a new person. In order to live like a new person, we need to meditate on and embrace this new reality. The old habits of sinful thought and action have embedded patterns. To break those habits and establish new patterns we must appeal to and cultivate our new identity in Christ, establishing a new set of habits that reinforce it.

Cultivating Our Inner Lives
1 Peter 1:13 says we are responsible for the way we think. We are to take charge of our minds and focus them on what is right, not wrong: “Therefore, prepare your minds for action; be self-controlled; set your hope fully on the grace to be given you when Jesus Christ is revealed.” Romans 12:2 says, “Do not conform any longer to the pattern of this world, but be transformed by the renewing of your mind.”

How do we renew our minds? By filling them with what’s right and true, especially God’s Word. Psalm 119:11 says “I have hidden your word in my heart that I might not sin against you.” Note this verse says that sin is prevented not simply by restraining the body, but by retraining the heart, from which actions flow.

The battles that are waged every day in our minds and on our computer screens take their spiritual toll.  By cultivating our inner lives, we are more likely to experience daily victories.  

It’s difficult to delete bad files in our brain’s hard drive, but we can restrict the number of new bad files. Then we can open many good files. This is cause and effect. The more we fill our minds with purity and the less with impurity, the greater our purity and resistance to temptation. We can build our relationship with Christ by praying, reading God’s Word and meditating on it, reading great books, listening to Scripture and audio books and teaching from God’s Word. We need to fill our lives with the best things, those that glorify God. Then when we see how satisfying they are, it will be easier to resist the things that tempt and destroy us. “In your presence is fullness of joy. At your right hand are pleasures forevermore” (Ps. 16:11).

As we eliminate the garbage, and replace it with what honors God, we will find it easier to obey Philippians 4:8: “Finally, brothers, whatever is true, whatever is noble, whatever is right, whatever is pure, whatever is lovely, whatever is admirable—if anything is excellent or praiseworthy—think about such things.”

When we choose to feed our righteous desires and starve our unrighteous ones, by God’s grace we will program our lives for righteousness. We will begin to think and live like the new creatures God has made us in Christ. We can experience victory in the war against pornography.

May we walk in that victory and experience the joy and freedom of purity.

Photo by Nicole Honeywill on Unsplash

Randy Alcorn, founder of EPM

Randy Alcorn (@randyalcorn) is the author of over fifty books and the founder and director of Eternal Perspective Ministries